PREENCHA COM SEU EMAIL PARA ASSISTIR
GRATUITAMENTE O PRIMEIRO EPISÓDIO DA MINISSÉRIE FAIXA CORAL
 
Type in your email and watch the first episode
of the miniseries "Red and Black Belt" completely free of charge.
Buscar

Conheça mais sobre Felipe "Preguiça" Pena, um dos maiores nomes do BJJ competitivo na atualidade.

Em entrevista exclusiva à BJJFLIX no quadro "Meeting", Felipe nos revela com exclusividade detalhes sobre seu início no Jiu-Jitsu, estilo de vida, e ambições futuras para campeonatos e para a vida. A seguir você poderá ler na íntegra a entrevista que essa fera deu à equipe da BJJFLIX.

Tem diversos objetivos no Jiu-Jitsu pra cada um, o importante é o bem que o Jiu faz pra aquela pessoa. Se a pessoa quer competir eu estimulo, eu ensino, mas se a pessoa quer aproveitar como hobby, vir dar uma suada, treinar, evoluir fisicamente e mentalmente, conhecer novas pessoas, ter um bom tempo aqui no tatame. Também não fico falando pra aquela pessoa competir. Acho que como em qualquer esporte tem aquelas pessoas que querem competir seja profissionalmente ou porque gosta, e as pessoas que treinam por hobby.
Meu nome é Felipe Pena, mais conhecido como “preguiça”. Eu comecei a treinar Jiu com 15 anos de idade, na Gracie Narra BH, por influência do meu irmão mais velho, Augusto “tio chico”. Eu era meio sedentário, ficava muito em casa nessa época, era meio gordinho e meu irmão falou “Felipe você vai treinar Jiu-Jitsu” ele era faixa marrom quase preta, era atleta e foi campeão mundial na faixa roxa e marrom.
Então ele me levou pra a academia e eu conheci o Jiu-Jitsu, no início eu não gostei muito, não é que não gostei, mas eu senti assim por não fazer muita atividade e era um esporte de contato então eu sentia muito o físico assim, mas sempre gostei muito do ambiente desde o início, dos amigos que eu fiz assim de cara.

O apelido "preguiça", que foi dado a Felipe, não foi em vão. Antes de se tornar um super atleta e campeão, Felipe era considerado preguiçoso por seu professor e colegas de treino, daí veio o apelido.

Comecei a treinar, mas sempre que eu podia eu encostava na parede ficava mais na resenha assim conversando com os amigos, e até por isso que o Draculino né, o mestre da equipe, me apelidou de “Preguiça”. Aí ele falou “Pô, tio Chico! você é muito preguiçoso cara, vem treinar e fica na parede ali”. Aí eu lembro que parei assim um, dois meses porque estava estudando, e depois quando voltei todo mundo na academia já estava me chamando de “preguiça”.
E aqui no brasil todo mundo tem mania de dar apelido, e sabe como é, apelido que você não gosta é o que pega mesmo. Então obviamente eu não gostei né, porque pô, “preguiça”. E comecei a brigar e tal, e foi aí que a galera ficou em cima mesmo e depois que eu peguei gosto pelo esporte e comecei a treinar muito, competir e tal, o apelido ficou e tá aí até hoje.
Quando eu comecei eu fazia aula infantil, eu tinha 15 anos, acho que a aula infantil era criança e adolescente até uns 16 anos. Mas eu lembro muito dos meus companheiros de treino naquela época né. Então tinham algumas pessoas que quando você começa, no início marcam assim né a sua memória. Inclusive o filho do Draculino, o Igor né, começou a treinar comigo. E vários outros ali que na verdade acho que hoje nem treinam jiu-jitsu, tem um o Breno Mansur que é meu aluno hoje, ele parou de treinar um pouco e hoje ele é faixa marrom, o filho do Draculino. Então acho que dessas pessoas que começaram exatamente comigo assim que eu tô lembrando acho que fui o único que chegou na preta, os outros pararam um tempo e voltaram, ainda tão treinando, outros pararam de vez, não estão treinando mais.
Mais um treino de maromba mesmo, musculação. É focado em evitar lesão e ganhar peso, porque o meu objetivo é lutar no super pesado, aí tô tentando ganhar um peso até o mundial do ano que vem. Vou tentar ganhar o mundial em outra categoria

Felipe conta que sua ambição agora é ser campeão absoluto mundial, um dos títulos mais importantes e difíceis de se conseguir no mundo do Jiu-Jitsu:

Eu já ganhei em meio pesado, já ganhei em pesado. Já lutei com praticamente todo mundo dessa categoria, então além de o super pesado ser um desafio diferente eu acho que é um objetivo legal que eu criei no último ano, um ou dois anos, e tô em busca disso aí, além de me ajudar em um sonho realmente que é ganhar o absoluto do mundial. Então querendo ou não quanto mais pesado você for, principalmente no absoluto do mundial, que é um campeonato no qual você faz muitas lutas, você sendo mais pesado você se desgasta menos e conseguiria fazer lutas melhores com pessoas mais pesadas sem medo de se desgastar tanto e sem um risco enorme de sofrer alguma lesão como já aconteceu algumas vezes.

Obrigado pela entrevista, Felipe! Foi um prazer para nós da equipe BJJFLIX saber um pouco mais sobre você e poder compartilhar suas histórias com nossos assinantes. Obrigado você também, por continuar acompanhando nosso blog e nossas redes sociais, fique ligado que vem muito mais coisa legal por aí, OSS.

147 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo