PREENCHA COM SEU EMAIL PARA ASSISTIR
GRATUITAMENTE O PRIMEIRO EPISÓDIO DA MINISSÉRIE FAIXA CORAL
 
Type in your email and watch the first episode
of the miniseries "Red and Black Belt" completely free of charge.
Buscar

GM Fernando “Pinduka” Guimarães conta com exclusividade à BJJFLIX sobre a rivalidade com Marco Ruas.


“Minha primeira luta de vale tudo foi com o Marco Ruas, mas eu já tinha feito várias apresentações dentro da academia porque o Carlson (Gracie) me colocava para fazer esses combates. Acabei criando muita experiência de combate contra essas outras artes marciais, pois como assistente dele era sempre o escolhido.
Daí quando chegou o ano de 1984, o Rolls (Gracie) já tinha morrido em 1982, e esse desafio surgiu por uma desavença entre os representantes mais novos da família Gracie com o sobrinho do (Flávio) Molina. Não me recordo exatamente o que causou a desavença, mas aí o Molina fez um grupo de treino para desafiar o Gracie. Ao mesmo tempo estávamos todos meio desmotivados pela morte do Rolls né, e surgiu esse desafio de arrumar uma equipe para ser oponente dos atletas que o Molina escolheu. As lutas precisavam casar, foi difícil!
O Robson (Gracie), na época, era o presidente da SUBEJ, então ele tinha acesso ao Maracanãzinho e deixou o ginásio a disposição para esse evento, com a data já marcada: dia 30 de novembro. Tivemos 20 dias para nos preparar.
Quando o Robson apareceu na academia eu estava lá na hora que ele falou para o Carlson: “eu não tenho ninguém disponível”, então eu me coloquei a disposição e o Carlson me convocou. Tive 20 dias para me preparar.

O Grande Mestre Pinduka falou que o desafio terminou 2x1 para a equipe do Jiu-Jitsu. E ainda comentou como foi a chegada e o clima por lá.

“Eu estava tranquilo, apesar de que o clima estava meio acirrado, teve briga na rua, briga em volta do tatame, teve um destempero muito grande, briga no vestiário, tinha o pessoal da luta livre com sua galera, o pessoal do Jiu-jitsu também com seus defensores. Foi um confronto um pouco desagradável para um evento esportivo, um clima meio de guerra.
Mas eu estava tranquilo, sabia mais ou menos o que eu tinha que fazer, já tinha experiência, já estava com 32 anos na época, tinha uma bagagenzinha que dava para segurar a onda, apesar de não estar bem treinado pelo pouco tempo, fui para o combate.

Mas apesar desse combate histórico entre a Luta-livre e o Jiu-jitsu, a rivalidade entre os dois esportes continuou ainda por um tempo.

Inclusive eu já era formado em educação física e estava com a ideia de colocar o jiu-jitsu na Universidade Gama Filho como disciplina. Mas a primeira barreira que esse projeto enfrentou foi quando os reitores citaram justamente essa situação do Jiu-Jitsu versus o vale-tudo. Eles alegaram que o Jiu-jitsu não tinha fundamentação educacional para entrar na universidade por causa dessas brigas e desse alarme todo.
Esse recorte de jornal falado que o jiu-jitsu era uma luta violenta, e eu levei muito tempo para fazer essa comprovação, pesquisa, estudo, para colocá-lo como disciplina, e apenas consegui depois de dez anos de esforço. Conseguimos transformar o jiu-jitsu como matéria na universidade, como uma disciplina eletiva né, e ainda assim isso formou um transtorno muito grande. Até que em 1991 teve a revanche.
Só depois da revanche que acalmou um pouco os ânimos, as pessoas se entenderam mais. Mas aí depois teve um outro episódio do Rickson (Gracie) com o (Hugo) Duarte na praia. Os dois brigaram e o Duarte ainda se sentiu atingido pela situação que foi criada, aí invadiu a academia do Rickson com uma galera, saíram na mão de novo lá.
"Mas hoje isso acabou, todo mundo é amigo por causa do MMA, por causa da profissionalização da luta."
Então todo mundo passou a receber dinheiro aí teve como melhorar o comportamento para poder virar um profissional de luta né, pra ter uma rivalidade um pouco mais saudável.

O Grande Mestre Pinduka ainda foi responsável por se dedicar fielmente a levar a modalidade Jiu-jitsu para dentro do ambiente acadêmico, com o objetivo de gerar ainda mais relevância para o esporte.

Passei a levar o jiu-jitsu pra universidade, pesquisar os benefícios dele como uma atividade educacional, uma atividade que pode trazer benefícios pessoais pra o praticante, como o estudo da biomecânica, estudo das alavancas, a possibilidade de ter uma capacitação cardiovascular, cardiocirculatória mais equilibrada, a tua mente dentro de um processo de equilíbrio...
Eu comecei a desenvolver além de campeões, a formar alunos que disputam campeonatos. Procurei desenvolver a parte mais educativa que pude, pesquisando todos os benefícios do jiu-jitsu para trazer pessoas que não tinham o intuito da competição, pessoas que eram trabalhadoras urbanas, que faziam dez, doze horas de jornada de trabalho, também pudessem usufruir do jiu-jitsu como um mecanismo de saúde, então eu fui muito bem-sucedido nesse aspecto. E aí comecei a trazer empresários para a minha academia, profissionais liberais, advogados, médicos, que por vezes chegavam exaustos em casa, e com a prática do jiu-jitsu eles se equilibravam.
Nada é melhor do que sair de uma jornada diária de trabalho, vestir um quimono e exercer uma luta de chão ou um movimento de defesa pessoal. Então os caras chegam, põe um quimono e e depois chegam em casa muito mais tranquilos.

A equipe BJJFLIX agradece ao grande mestre pela disponibilidade em dar à entrevista e por toda sua contribuição à arte suave, e a você também, fã e leitor do nosso blog, por acompanhar nosso trabalho. Continuem ligados e não percam nada, OSS.

173 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo