PREENCHA COM SEU EMAIL PARA ASSISTIR
GRATUITAMENTE O PRIMEIRO EPISÓDIO DA MINISSÉRIE FAIXA CORAL
 
Type in your email and watch the first episode
of the miniseries "Red and Black Belt" completely free of charge.
Buscar

GM Flávio Behring relembra histórias de brigas homéricas e outros causos da 1ª geração do Jiu-Jitsu.

O Jiu-Jitsu é conhecido como "arte suave" e as pessoas que o praticam são conhecidas por terem um controle emocional muito bom e por não se envolverem em brigas de rua, apenas se entrando se for para resolver o conflito sem machucar ninguém.


Mas nem sempre foi assim, nos primórdios do BJJ, quando ninguém conhecia essa arte, haviam muitas brigas para provar a superioridade dela em relação às outras.


Neste artigo, iremos saber uma dessas histórias com o Grande Mestre Flávio Behring:

A primeira geração foram o Carlos e o Hélio, a segunda geração foram o João Alberto, o Carlson Gracie, o Hélio Vigio e o Robson Gracie estava ali no meio termo.
Terceira geração era eu e uns dois outros caras, um deles saiu e o outro faleceu, que era fortíssimo, muito bom de luta, se chamava Otavio Carvalho. A primeira tropa de elite, que era a tropa do Hélio, topava qualquer coisa a qualquer hora, qualquer coisa.

O Grande Mestre Flávio Behring relembra uma história inacreditável de uma briga de bar, na qual João Alberto Barreto se envolveu e levou um tiro.

Uma vez o irmão do João Alberto Barreto (Álvaro Barreto) estava num bar, num lugar que não existe mais, era uma boate chamada Vogue, naquela época e tal.
Daí tinha um camarada lá fortão se gabando, o irmão do João Alberto já tinha tomado umas aí disse “meu irmão bate em você”, aí já era de madrugada e ligaram para a academia. “João Alberto, vem aqui dar uma porrada no cara”, aí o João Alberto foi, saiu da academia de madrugada e foi lá.
Aí chamou o Hélio e foi todo mundo pra a frente do bar, o cara era chamado Mesnick, pode procurar aí a matéria que tem. E o camarada era um lutador de luta livre e tal, cara forte e grande. O João Alberto deu uma surra nele e tomou um tiro na panturrilha.
Ninguém sabe até hoje quem foi mas deram um tiro nele.

"As coisas eram assim, a tropa de elite do Hélio era assim, ao mesmo tempo ele também segurava um pouco."

Tanto que houve um episódio meu com esse rapaz, quando houve isso, o pai dele ligou pra o Hélio e perguntou “Poxa, por que bateram no meu filho?” O cara era bem mais velho que eu, mas enfim. E não bateram, ele que procurou né. Aí o Hélio me chamou e me deu uma bronca “professor de academia fazendo uma coisa dessas?”
Eu fiquei “po Hélio, é serio?”
"- Você sabe a história desde o início, o cara me desafiou".
"- mas você tinha que brigar?”
Eu dizia: "- Hélio pelo amor de deus, você não iria fazer o mesmo?"
Enfim, daí o pai desse aluno entrou com um processo e eu tive que deixar a academia por causa da justiça, aí foi outra história.
Mas tive muitos episódios, muita coisa, até o momento que pra mim foi o pingo d'água dentro da minha história de encrenca de rua. Tô em SP dirigindo, aí um cara me fecha. Aí eu parei ali o carro, "pô cara" aí ele “oh velha, vai pra casa fazer crochê!", e aí eu fui!

A equipe da BJJFLIX agradece ao Grande Mestre Flávio Behring por compartilhar essas histórias que são verdadeiras relíquias do Jiu-Jitsu brasileiro. Obrigado você também por acompanhar o nosso blog e nossas redes sociais. Continua nos seguindo para não perder nenhuma história ou detalhe sobre o nosso lançamento, OSS!

48 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo